| segunda-feira, 23 de abril de 2018 | 0 comentários |
Que horas são? Toco o celular, ele acende, são 19:25, a bateria já quase se foi. Desligo logo a tela pra economizar energia. Tão cedo, e tão escuro, todos tão deitados, gosto muito da minha avó, mas essa parte de dormir aqui com ela... Essa casa me dá medo.
Casa do interior, com imagens de santo dependuradas com fitas e flores, nas paredes. Fotos do tempo que ainda se pintavam as fotos. Tudo a essa hora tem um ar sinistro. Mesmo ligando a luz, que ainda é das incandescentes, a luz amarelenta e pastosa que cobre tudo deixa ainda menos confortante o cenário.
O cenário do tempo.
O tempo que engole os rebocos na parede do altar dos santinhos, com a vela-de-sete-dias e seu fogo tão ínfimo e agora tão colossal no betume. Sinto sufocamento na gaiola do mosquiteiro, e minha bexiga para estourar me obrigam a rastejar até o banheiro, oh céus... Nessa hora invejo o penico de vó. Dou um risinho curto que acaba assim que saio do mosquiteiro e boto os pés no chão, de pé, de frente ao vão do quarto, escuro como a falta de esperanças, tento não temer mas é tarde demais, seguro o celular com força, maldição como pude esquecer o carregador? Acender a tela agora e ter um flash dos móveis aparentemente mortos me deixaria ainda mais assustado... Imagina se enxergasse alguma visagem?

Dou um gole a seco e lembro de ter lido o termo na noite anterior, nalgum conto de Poe ou Lovecraft, era sobre uma coisa no escuro... Melhor não lembrar dos detalhes. Não há de ser imbecil, o que posso temer na realidade é algum ladrão ou bicho peçonhento...
Um barulho estranho interrompe os pensamentos.

Alguém querendo invadir essas casas isoladas de sítio? Um rato? Um bicho medonho?
Sente uma pontada na bexiga - não tem como voltar pra cama sem mijar.
Anda com pés de pluma e ouvidos de interfone, ouve ainda bem distante e pouco nítido, será nas telhas?,
 um pássaro noturno trazendo mau agouro? um galho de árvore? uma alma-coisa-feia?
Entra no banheiro abraçado com a porta, sem ousar acender a luz, tem um susto quando o primeiro jato acerta a água, mas aguenta firme a ansiedade do barulho fazendo ecos na casa toda.
Termina e a volta é tão rápida que nem percebe. Finalmente enrolado no lençol liga a tela novamente, são 19:42.
Nem o medo que sentiu a noite toda dos barulhos do sítio em noites de inverno, nem o sono mal dormido e mal acordado, nada o prepararia para encontrar sua vó morta pela manhã.

Não eram anfíbios nem aves noturnas nem vento nos galhos nem criminosos ou monstros sobrenaturais.
Era a matriarca gemendo a vida embora, a noite toda.


| quarta-feira, 4 de abril de 2018 | 1 comentários |
Levanto da cova.
Olho em volta.
Onde estará o terror, em pleno 2018?

#5 Comercial assustador - Cereal Creepy

| domingo, 16 de março de 2014 | 1 comentários |

Oi gente profana, to de volta (por hoje pelo menos), pois percebi que estava vendo muita coisa bizarra ultimamente, e achei que seria muito egoísmo não compartilhar. Então fiquem ai com um comercial muito bem feito, com um palhaço nos moldes do Pennywise, que deve ter se rendido a publicidade pelo visto.





 


olhe para trás
saudades de escrever isso

Vídeo clipe/curta metragem: "Toi et nul Autre" (Modèle Mécanique).

| quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014 | 0 comentários |


O video de hoje é da música "Toi et nul Autre", de Modèle Mécanique.



Belíssimo, não?

Animação: Dog of Man

| quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014 | 0 comentários |
Este foi uma sugestão do leitor Tityus, valeu man!
(dicas de leitores são sempre bem vindas!)

'Dog of Man' é uma pequena animação sobre a comovente estória de um homem e seu cão.

Belissimamente bizarro;
Não há sustos, não há forte jogo de luzes.
Assista a noite, sozinho, com fones de ouvido... Vale a pena.

Respire, relaxe, deixe fluir...


Pronto? Tela cheia e dê play:


Tinkebell: Limites da arte?

| quinta-feira, 21 de novembro de 2013 | 1 comentários |
Caros colegas, esta é Katinka Simonse, uma bela, jovem e saudável holandesa, graduada em design, que se diz vegetariana e artista plástica.



Até aí tudo bem, certo?
ERRADO!



Também conhecida pelo seu nome artístico, Tinkebell é perseguida por indignação e ódio em várias partes do mundo, por conta de sua "concepção artística".
Mas o que um semblante tão sereno poderia ter de diferente? de exótico? de bizarro? de assustador?
A seguir, algumas imagens das produções artesanais de Katinka:


Pelúcias




Bolsas




Se resta alguma dúvida, sim, são animais de verdade.
Já há um grande movimento que se dedica a impedir que essa sua forma de expressão continue, ou que possa servir de exemplo para outros que queiram dar prosseguimento a esse tipo de trabalho.
Há uma petição online rolando contra ela. Para quem interessar, segue o link.
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=P2013N71029


E então, haveria limites para a concepção artística? Ou impôr limites à arte, quaisquer que sejam, é tirar-lhe o que lhe é fundamental e constituinte para ser o que é?
Noutros tempos, certamente isso seria indiferente; noutros, aclamado, aniquilado...
Não sou vegetariano (apesar de achar a carne dispensável e comê-la até bem pouco), mas a mim parece excêntrico e exagerado, mesmo insensato, tratar as outras vidas do planeta com semelhante "superioridade humana"... Em nome de quê? Expressão, linguagem, entretenimento?
Conheço quem ache normal... Conheço quem ache condenável...

Enfim...
Mais imagens:







OPS!
Sim, esta é Tinkebell num ensaio fotográfico; e analisando agora, acho que realmente ela ficaria linda empalhada assim, perto da lareira da sala.
Quem sabe nem ela discorde?

As 7 mortes de Pedro... Urso Morto!

| segunda-feira, 14 de outubro de 2013 | 0 comentários |
A seguir, apresento a vocês este lindo curta-metragem nacional, de 2012, dirigido por Fabricio Brambatti. Com apenas cinco minutos de filme, este curta documentário/experimental nos trás a realidade nua, crua e sangrenta das ideias de um menino, Pedro, em pleno nordeste brasileiro...


"The seven deaths of Pedro. The boy who collected cow skulls."

(As 7 mortes de Pedro. O menino que coleciona crânios de vaca.)




Se curtiu o trabalho, entre em contato com o mundo do "urso morto", onde primeiramente encontrei este vídeo. Explore o site livremente... Sem medo.
(mas se o medo aparecer, não o negue...)


Respire, relaxe, deixe fluir... e acesse:

http://www.ursomorto.com/